18 de April de 2018 Destaque Central

Hair Brasil mostra a força setor de beleza brasileiro - início do ano aponta superávit do mercado


O setor de beleza demonstrou boas expectativas para os negócios durante a 17ª edição da Hair Brasil - Feira Internacional de Beleza, Cabelos e Estética, que terminou ontem, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Em janeiro e fevereiro deste ano, o setor obteve um superávit comercial de US$ 9,6 milhões e espera para 2018 superar o crescimento de 2,75% registrado no ano passado, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos - Abihpec. Para a retomada do segmento, que até 2015 registrava crescimento acima do PIB e dos demais setores da indústria, as empresas participantes da Hair Brasil apostaram no potencial de seus lançamentos e nas oportunidades de negócios que a feira proporciona.

Apesar dos desafios da economia brasileira, em vez dos consumidores comprarem um artigo de maior custo, refugiam-se em produtos mais acessível, como batons, esmaltes e outros produtos de beleza, avalia Jeferson Santos, diretor geral da Hair Brasil. "Esse é um fenômeno que atinge especialmente as mulheres, permitindo que elas desfrutem da sensação de bem-estar e administrem com maior facilidade uma possível perda de autoestima. A incerteza financeira não impede a mulher de investir em pequenos prazeres como cuidar semanalmente das unhas, cabelos ou comprar um novo cosmético", analisa.

Este ano a feira recebeu mais de 95 mil visitantes vindos de todo o Brasil e de outros 25 países. Foram mais de 900 marcas expositoras nacionais e internacionais. "Estamos muito felizes com o sucesso dessa edição, que atingiu nossas expectativas em termos de visitação e em geração e prospecção de negócios. Durante quatro dias, a Hair Brasil", disse Jeferson Santos, diretor geral da feira.

Desempenho forte do setor em canais de venda

Atualmente, o Brasil é o quarto maior consumidor de produtos de beleza e higiene pessoal em todo mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Japão e China. Líder no canal de venda direta, o setor cosmético é representa 54,7% entre outros setores, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas - ABEVD, que movimentou no ano passado R$ 45,2 bilhões. E, segundo a Associação Brasileira de Franchising - ABF, o segmento ocupou a terceira posição entre os maiores franqueadores em 2017, permanecendo atrás apenas do setor de alimentação e serviços educacionais. O pulo, de 12% para 16% em relação ao ano anterior, revela o quanto as mulheres não abrem mão da estética e os homens estão aderindo cada vez mais aos tratamentos de beleza. De acordo com o Sebrae, cerca de 70% dos brasileiros afirmam que os gastos com beleza são uma necessidade.

Itens de beleza são os mais comprados pela internet

O e-commerce brasileiro deverá faturar R$ 77,5 bilhões em 2018, um aumento de 20,9% em relação ao ano passado, que fechou arrecadando R$ 64,1 bilhões. De acordo com a empresa E-Consulting, as cifras superam as expectativas da consultoria, que há 14 anos elabora a apuração dos dados.

Segundo a consultoria, a previsão é que os itens de beleza e saúde sejam os mais comprados do período, tendo chances de alcançar um volume de pedidos que representaria, aproximadamente, 22% do montante previsto de transações no e-commerce. Moda e acessórios vem em segundo lugar com um volume de 18%.

Quase um quarto da população brasileira assume ter o hábito de gastar mais do que realmente pode com produtos e cuidados estéticos. Em primeiro no ranking das intenções dos consumidores estão os cosméticos (50,7%). Cuidados com cabelo, unha, barba e pelos chegam a 42,3% *

*Dados de acordo com levantamentos feitos pelo Serviço de Proteção ao Crédito em conjunto com a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).