01 de October de 2020 Empresas

Natura &Co busca capitalização em oferta global de R$ 6 bi


Com a terceira venda pública de papéis a Natura &Co dará seu passo mais ousado no mercado de capitais. A intenção é levantar mais de 6 bilhões de reais ou mais de 1 bilhão de dólares , de acordo com a Revista Exame, na B3, no final deste mês.

Próxima de seu maior valor já alcançado na B3, em torno de 65 bilhões de reais, a Natura &Co deverá usar os recursos esperados para otimizar a estrutura de capital, para acelerar o crescimento nos pr[oximos três anos, o projeto de sustentabilidade 2030, com destaque para a agenda “Carbono Zero”, e para digitalização e integração da Avon, além de investir em oportunidades de expansão geográfica.

A Natura &Co iniciou a revitalização do mercado de capitais brasileiro, com uma postura de empresa sustentável desde o início. Desde a sua oferta pública inicial há 16 anos, quase 190 outras companhias abriram capital na bolsa, agora B3. O grupo reúne as marcas The Body Shop, Aesop e Avon, além da própria Natura, com atuação em mais de 100 países. Já realizou duas outras ofertas públicas — o IPO, em 2004, e mais uma outra, em 2009. Ambas foram para vendas de ações pelos acionistas, ou seja, secundárias, e não representaram a entrada de dinheiro novo no negócio.

De acordo com o Wall Street Journal entre os candidatos potenciais estão inclusos a terceira maior companhia aérea do Brasil, Gol, o banco de médio porte Banco Santos, o peso-pesado em decoração de casas Eliane e o principal grupo de logística do país, América Latina Logística, ou ALL.

O Morgan Stanley será o coordenador líder da oferta e o sindicato de bancos incluirá ainda Bank of America (Bofa), o Bradesco BBI, Citigroup e Itaú BBA, informa o WSJ.
Em mais 15 anos de pregão, a Natura Cosméticos virou Natura &Co depois de entrar para o hall das gigantes no setor de higiene e beleza com a compra da centenária Avon, por meio de uma operação envolvendo troca de ações e hoje tem receita líquida anual superior a 30 milhões de reais.

Agora o desafio é grande: a Natura é uma marca associada aos valores da sustentabilidade, da responsabilidade social e totalmente aderente à cultura digital do mundo pós-pandemia. Já a Avon é hoje uma empresa que precisa de atualização completa.

Os investidores tradicionais e de longo prazo da Natura &Co, segundo a Revista Exame apurou, estariam atentos aos avanços dos indicadores da Avon, já convictos da execução sobre a marca Natura.

No balanço do segundo trimestre deste ano, a companhia surpreendeu positivamente o mercado com uma demonstração de que há crescimento possível não apenas nos projetos internacionais, mas dentro do Brasil.

Notícias Relacionadas